A Minha Rádio Podcast: Cowboy Cantor

domingo, outubro 08, 2006

Custa Muito Satisfazer Um Cliente?

Qual o valor de um sorriso? Muito gente não sabe o valor certo de um sorriso, porque nunca sequer pensaram que é possível um sorriso servir de moeda de troca por outra coisa qualquer. E quem diz um sorriso, fala também em apresentação, atenção e cuidado.
Isto tudo, porque recentemente fui jantar com um grupo de amigos a um restaurante conhecido por fazer pratos de carne exótica, a qualquer hora da noite. Lembrei-me muitas vezes durante a noite, nos muitos momentos em que estávamos à espera de uma nova bebida, ou de outro prato, do senhor Humberto Chaves. Um desconhecido para muita gente, mas que para mim, desde este Verão passou a ser alguém que conheço, e quero voltar a ver. E porquê? Porque ao contrário de muitos e pretensios restaurantes em São Miguel, o senhor Humberto Chaves tem no seu humilde Ponta Negra, e São Lourenço (Santa Maria) uma forma muito simpática de cativar as pessoas para lá voltarem um dia.
O Ponta Negra, que há noite se transforma quase num quase num clube nocturno, não oferece uma grande variedade de pratos, mas a confecção e o atendimento são mais do que se poderia esperar num restaurante-esplanada, numa zona balnear como a baía de São Lourenço. Desde a jovialidade e simpatia das empregadas, até chegar ao patrão que faz render ao máximo os valores daquele sítio.
Lembro-me muito bem de estar a comer um belo bife de atum, com apresentação e confecção excelente, e de repente dei por mim já não tinha vinho. Continuei a falar com a minha Vitória, enquanto olhava discretamente para o balcão, a ver se alguém me via para eu pedir mais um copo, e sem sequer ter feito outro gesto, o senhor Humberto aparece-me à mesa, com aquele sorriso, que só pessoas divertidas e atenciosas sabem ter, e diz-me:
“Estava a vê-lo a olhar muito para o balcão, vi o seu copo vazio, e trouxe-lhe mais um.”
E fez muito bem por duas razões, uma porque a melhor coisa que se pode pedir no Ponta Negra para acompanhar a refeição, é um copo de vinho branco de pressão (no meu caso foram dois), e por outra, são gestos destes, e abrodagens aos clientes, como a que o senhor Humberto Chaves faz, que me fazem querer voltar ao Ponta Negra, em São Lourenço, nem que vá de propósito a Santa Maria beber mais um copo, e conversar um pouco com o senhor Humberto.
No final, o facto curioso. Por sucessivas falhas de comunicação no multibanco, decidi passar um cheque. E o cheque ficou à ordem do Clube de Amigos de São Lourenço. Não sei quem são estes amigos, mas de certeza que estão bem satisfeitos com a forma de ser e de fazer negócio do senhor Humberto Chaves.
Se alguém está a pensar ir a Santa Maria, passe pelo Ponta Negra, e diga que vão da minha parte. Ah, já agora, podem pedir um copo de vinho branco de pressão, e deixar no meu nome. No próximo ano pago.

Sem comentários: