A Minha Rádio Podcast: Cowboy Cantor

sábado, dezembro 30, 2006

Vida

Hoje tenho vergonha da minha condição de ser humano.
Acabei de tocar em mais uma missa, como é habitual aos Sábados na Maia. Costuma-se dizer que quem toca para Deus, reza duas vezes. Talvez eu tenha rezado mais do que duas vezes durante a celebração. Sou cristão praticante, porque vou, e gosto de ir à missa. Tenho as minhas crenças e as minhas dúvidas. Acredito no amor, mas sobretudo na vida. Sobretudo na vida, e hoje é essa a palavra que mais me passa pela cabeça: VIDA.
Lembro-me de um colega meu de sala que, com 10 anos, escreveu no seu caderno numa Sexta-feira, mesmo antes de acabar as aulas “As palavras que mais gosto são PAI, MÃE e VIDA”. O Fernando até ao Domingo seguinte não deve ter pegado novamente no caderno, nem no lápis, uma vez que nesse fim-de-semana não havia trabalhos de casa. Foi pescar, e ao tentar salvar o cão que caira ao mar, acabou por desaparecer por entre as ondas.
VIDA deve mesmo ter sido a última palavra que aquele rapaz escreveu.
Tenho vergonha de pertencer à mesma condição humana que o Júnior americano, armado em cowboy. Não tenho vergonha do meu Deus, nem do meu Livro Sagrado, mas tenho vergonha de ter o mesmo Deus e o mesmo Livro Sagrado que os aliados do tal americano. Tenho vergonha de ser tão homem quanto o George, o Tony, o Vladimir, e José Eduardo, o Augusto, o Adolph, o Saddam, o Osama.
Sou tão homem quanto esta gente toda. Tenho o direito às minhas crenças, tal como eles, mas há uma diferença: acredito na Vida.

4 comentários:

Anónimo disse...

E não é que tenho um sentimento a "entupir-me" a garganta desde manhã.
Não é novo mas hoje está mais forte.
Obrigado pela descrição que fez deste sentimento. É que pensando bem, o que me "entope" é exactamente essa "vergonha da minha condição de ser humano".

brettinha do campo disse...

feliz 2007 !!!!!!!!
para ti e para a tua familia!!!!
beijinhos

Rodrigo de Sá disse...

Reforço a ideia de que o problema não é eu ser como sou (condição humana, preferências religiosas, ideais políticos, escolhas profissionais, gostos). O problema é saber que outras pessoas com certas formas de pensar e agir são da mesma condição que eu. Pelos vistos o José Aurélio também pensa assim.

Anónimo disse...

Acreditas na vida e graças a Deus apareceste na minha.UM EXCELENTE 2007 PARA TI!MARTA