A Minha Rádio Podcast: Cowboy Cantor

terça-feira, setembro 29, 2009

Declaração de voto

Um voto em branco é um grito mudo de protesto. Poderia ficar calado, que ninguém sabia que tinha votado em branco. Tinha apenas descarregado o meu nome dos cadernos e toda a gente sabia que tinha votado, independentemente do tipo de voto que foi.
Se me tivesse abstido, aí toda a gente sabia que me tinha abstido, e saberiam que na sua pontuação (mania parva esta de chamarem "score" aos resultados eleitorais) não contava com o meu voto.
Mas então porque não me abstive? Esta era de facto a minha primeira inclinação, mas seria injusto para com os meus pais que tanto lutaram e ensinaram os valores da democracia. Votei porque quis, não porque fui obrigado, ao contrário do que acontecia antes do 25 de Abril de 1974 sempre.
Votei como quis, não porque me indicaram o sentido de voto. Este foi talvez o maior gozo que tive no Domingo. Foi saber que a educação que os meus pais me deram me permite concordar ou discordar deles quando quiser.
Um voto em branco não um voto inútil. É um voto de quem agradece a democracia, mas recusa qualquer um dos candidatos. Um voto em branco é o voto de quem quer responsabilidade na governação, mas não confia plenamente nos pretendentes a governo.
O meu voto em branco foi o fim de um ciclo de várias eleições em que votei a favor de uma lista, com medo que outra ganhasse. E medo foi uma coisa que se devia ter perdido em Portugal há 35 anos.

O regresso do Cowboy Cantor aqui (mp3 27,6 mb/30’11’’)
Para ouvir no blog Danialice
Informações no Cowboy Cantor

sexta-feira, setembro 18, 2009

Delirante

Há muito tempo que já não concordava com o primeiro ministro.
Hoje soube que o nosso primeiro disse que o director do Público tem uma imaginação fantasiosa, delirante e um comportamento absolutamente indigno.
Achei que estava a exagerar, e que o verdadeiro comportamento indigno era por parte do primeiro ministro ao fazer estas acusações.
No entanto, depois de ouvir as explicações de José Manuel Fernandes em directo na SIC Notícias, fiquei com esta certeza: o homem realmente delira.
Não percebi nada do que disse.

quinta-feira, setembro 10, 2009

Praia dos Moinhos, Secretários e Janelas

Nunca percebi, e acho que nunca irei perceber a lógica da escolha de certos ministros, secretários ou directores. Umas vezes são ministros das finanças, outras vezes são ministros da educação. Noutras vezes são secretários da educação, sem nunca terem dado uma aula, como de repente são os mais qualificados para o ambiente.
Há uns tempos, o responsável pelo bar da Praia dos Moinhos quis montar um corrimão em alumínio nas escadas de pedra de calçada que davam acesso à praia propriamente dita (não ao bar, porque para entrar neste basta descer uma rampa). A justificação era que assim os banhistas poderiam descer e subir com mais segurança. A resposta da altura por parte da Secretaria do Ambiente foi que não era possível legalmente fazer a obra.
Recentemente chegado de férias de Évora, passei pela Praia dos Moinhos para comer o tal hamburguer (aquele com molho sigiloso, mas que já ganhou o prémio de melhor hamburguer dos Açores), e reparo numas fantásticas obras em cimento e betão.
A minha primeira estupefacção foi reparar que no final de Maio, última vez que tinha passado por lá, não havia sequer sinais de obras. Dois meses depois, a obra estava inaugurada.
A minha segunda estupefacção foi perceber que no sítio onde é iligal abrir três furos na calçada para pôr um corrimão, pode-se destruir a calçada, amontoar uns quilos de cimento e betão e proibir os banhistas de se lavarem com shampoo.
No distrito de Lisboa um cidadão prevendo que iria ser-lhe recusado abrir uma janela na fachada da sua casa, fez a obra pretendida sem pedir autorização. Depois da obra feita, foi à câmara local e pediu para fechar a janela. A câmara não autorizou que se fechasse a janela. O homem voltou para casa sem regatear a decisão.
nota: para os ouvintes do Cowboy Cantor, mas não leitores do blog, fiquem a saber que o regresso do primeiro podcast açoriano está atrasado devido a mais um bloqueio do Windows XP do meu computador. A próxima emissão será muito provavelmente gravada em Machintosh.