A Minha Rádio Podcast: Cowboy Cantor

quarta-feira, janeiro 13, 2010

A Disciplina do Voto

Muitas coisas me fazem confusão neste processo do casamento homossexual.

Prefiro não opinar sobre o assunto, pois este tomou algumas proporções em certos debates que vão para além da igualdade de direitos (segundo o que se reclama) e entram num campo de ofensas morais.

A mim, duas coisas me incomodam, para além de uma delas ser o facto de inúmeras vezes se falar em casamento "gay", uma palavra feia, não portuguesa e que exclui os indivíduos homossexuais do sexo feminino.

Para que então as senhoras não se sentissem excluídas deste debate, começou-se a falar de casamento entre pessoas do mesmo sexo, porque dizer homossexual estamos a falar só de homens, como se homo quisesse dizer homem.

Sendo que homo quer dizer homem, e o oposto é hetero, então um casamento de duas senhoras será um casamento heterossexual?

Outra questão, e de novo falo na falta de credibilidade que tenho para com grande parte dos políticos hoje em dia, prende-se com o facto de mais uma vez uma questão de valores sociais tenha sido tornada uma questão política.

Acima de tudo, lamento a disciplina do voto e o seguidismo.

O Cowboy Cantor canta a 77ª emissão aqui.
Ouvir no iTunes.


O Rapaz do Cavaquinho continua a tocar aqui.

10 comentários:

Anónimo disse...

Homo = Igual

Prefixo de origem grego significando igual:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Homónimo

Pelos vistos faltou-lhe um pouco de estudo na escola. Post completamente despropositado e sem fundamento para uma causa completamente sem fundamento.

Rodrigo de Sá disse...

Caro Anónimo, no 4º parágrafo refiro: "porque dizer homossexual estamos a falar só de homens, como se homo quisesse dizer homem."

O 5º parágrafo é uma pergunta que faço a quem acha que "homo" quer dizer homem.

Já agora, neste blog não há "posts". Há textos, publicações, entradas ou artigos.

Como eu refiro no princípio, não publiquei este artigo para ajuizar sobre o casamento homossexual. A minha preocupação foi a forma como se debateu o assunto, mas "acima de tudo, lamento a disciplina do voto e o seguidismo." (último paragráfo).

Rodrigo de Sá disse...

Quanto aos meus estudos, convido os meus ex-professores que costumam ler os meus textos, a deixarem aqui a sua opinião sobre o meu desempenho escolar da 1º ano do Ensino Básico na Maia (São Miguel), passando pelo Ensino Secundário na Ribeira Grande, até à minha Licenciatura em Educação Musical, em Setúbal, passando também pelo 4º grau do Conservatório de Setúbal, e agora no curso de Novas Tecnologias da Música, no Conservatório de Ponta Delgada.

Anónimo disse...

Prefixo de origem grego: Prefixo é masculino e "de origem" apenas é o complemento determinativo. Assim, caro "postador", dizer-se-á sempre "prefixo de origem (é) grego, significando.........
Bons estudos.
Quanto ao Latim, informo-o também que o frequentei até ao 12º Ano de Escolaridade sem nunca deixar de frequentar e concluir ainda o respectivo Grego.
Quanto à Homenagem dos Professores nunca deixarei de louvar os meus como marcos e referências importantes da educação açoreana, ups, açoriana (açor, is).
Passe bem, mas empenho para o desenvolvimento dos seus perfeitos e artísticos talentos.

Rodrigo de Sá disse...

O complemento determinativo é de facto de menor importância neste assunto. Apenas determina o género: masculino ou feminino. Apenas.

Se fosse perfeito tinha tido 5 em Matemática no 9º ano, e não 2 (só porque a professora não quis que eu passasse a vergonha de chegar ao 10º ano com 1. Não gostava mesmo daquilo).

Fiat Lux disse...

"Dizer-se-á" ?
Oh amigo, se quiser dar lições de português se calhar convinha saber... português.
"Dizer-se-á" não existe.
A forma correcta é "Dir-se-á".

Rodrigo de Sá disse...

Uau, nem reparei nessa.

Anónimo disse...

Afirmativo. "Dir-se-á" é a forma de conjugação correcta. Pois, trata-se de uma conjugação reflexa. Não foi gralha, foi um erro condicionado à distracção.
Obrigado. Todavia, di-lo-ei ao meu cérebro cuja idade fá-lo padecer de uma certa e apurada ginástica. Mas, tudo depende também de uma falta continuada do seu uso, no que se refere às regras gramaticais e ao empobrecimento causado por alguma leitura de certa imprensa regional e nacional.

Rodrigo de Sá disse...

"ao empobrecimento causado por alguma leitura de certa imprensa regional e nacional."

Pronto, está desculpado e perdoado.

Daniel disse...

Discussão interessante. Pena a facilidade com que por vezes se imagina ver erros onde eles não existem. E assim se transformou uma discussão que poderia ser interessante (a disciplina de voto é a negação da liberdade de pensamento numa casa em que ela deveria ser modelar) numa discussão sem fundamento, porque a sua causa (um suposto erro) não existia.