A Minha Rádio Podcast: Cowboy Cantor

segunda-feira, julho 11, 2005

O Feitiço Contra O Feiticeiro

O meu dia-a-dia passa necessariamente pelo contacto com crianças, e sendo um professor, tenho sempre a preocupação de ensinar às crianças com quem convivo regras de boa educação. Às vezes sou surpreendido, pela positiva, por alguns comportamentos que certos alunos têm, o que mostra que trazem uma educação saudável de casa.
Também acontece encontrar crianças que, para além de serem bem-educadas, são tão espertas que até conseguiriam enganar o Diabo.
Uma vez num ensaio do coro da Maia, estava o filho de uma dos elementos, o Henrique, de 4 anos.
Andava pela igreja com um pacote de bolachas na mão, nas suas brincadeiras de 4 anos. Ao fim de quase duas horas de ensaio, não resisti, e chamei-o:
- Henrique, deixas-me comer uma bolacha?
Vi nos lábios dele um sorriso matreiro, e os olhos até mudaram de cor:
- Desculpa, não percebi?
Ao ouvir isto, com a expressão que o Henrique estava a fazer, eu é que percebi o que ele queria. Então reformulei o pedido:
- Henrique, deixas-me comer uma bolacha, se faz favor?
-Ah, já percebi. Tira.

6 comentários:

Gado Bravo disse...

Toma que é para aprenderes, hihi.
É o que dá quando nos distraímos e os substimamos. Rapazinhos levados do diabo. :)

Rodrigo de Sá disse...

Podes crer. A propósito de levados do diabo: conheço esta vaquinha de algum lado :)

frosado disse...

Rodrigo, podes ir aquecendo a água para o chá prometido. Estou quase aí! Por enquanto não posso, tenho a casa com amigos que estão a adorar estar na Maia!

Rodrigo de Sá disse...

Férias, finalmente!

Vera Cymbron disse...

Estes miudos de hoje...bolas, é medo deles!
Espero que as férias sejam boas. As minhas estão ainda longe, vou saboreando o sol ao fim de semana, este por exemplo vou perder-me para os lados das Sete Cidades.
Jinhos

Luís disse...

Rodrigo - estamos sempre a aprender uns com os outros. Quem disse que de um lado estão os que ensinam e do outro estão os que aprendem?
Aliás, ninguém ensina nada a ninguém que não esteja preparado para aprender.
Isso levava-nos a um debate interminável e ... boas férias!