A Minha Rádio Podcast: Cowboy Cantor

sexta-feira, janeiro 27, 2006

Como É Possível?

Como pode um professor de Educação Musical dizer uma coisas destas? A verdade é que está dito, e está aqui para quem quiser confimar.

segunda-feira, janeiro 23, 2006

Moral Em Baixo

Neste dia em que os portugueses reflectem “Meu Deus, o que nós fizemos!”, lembrei-me de uma história que se passou recentemente numa aula minha, e que tem tudo a ver com o moral em baixo.
Turma do oitavo ano, uma das cinco que tenho, pouco depois do almoço. Entra o pessoal, e sentam-se à espera das indicações para a aula. Enquanto começo a resumir (os professores têm esta mania de resumir o que se vai fazer, antes de se fazer) a aula, reparo que uma das raparigas não estava virada para a aula. Aliás, tinha-se virado para a janela, e com cara de poucos amigos. Neste caso, poucas amigas. Quer dizer, eu até acho que estava com ar de muitos amigos, ou pelo menos de um amigo em especial. Mas adiante. Perante tal cenário, tive que cumprir o meu dever, e lá a chamei duas ou três vezes. Diga-se de passagem que sem efeito. Entretanto levanta-se um dos rapazes zangado, e num tom ameaçador dirige-me a palavra nestes modos:
- PROFESSÔ, NÃO A CHATEIES! NÃO VÊS QUE ELA É B’DISTA!
Sem saber se havia de o repreender pela infracção muito grave ao código de aula, ou tentar perceber o que tinha uma coisa (“…não a chateies”) a ver com a outra (“… é b’dista”), olhei para ele com uma expressão que por escrito será assim:
- ???????????
Resposta imediata:
- Ela está sempre com o bode.
Perante a gargalhada geral, só me ocorreu dizer:
- Vocês não prestam para nada.
Logo de seguida juntei-me à festa, e a aula só começou meia hora mais tarde.

domingo, janeiro 22, 2006

1143-2006



Haja o milagre da ressureição.

sábado, janeiro 21, 2006

Terceira Emissão- Rádio Cowboy Cantor

A terceira emissão começa com uma homenagem ao cinema de animação, e ao Macaquins 4. Depois é o desfile de novidades e algumas recordações. São trinta minutos de emissão para ouvir onde e quando quiserem.


Para ouvir há três alternativas:
1) Através do blogue Cowboy Cantor
2) Através da página da Rádio Cowboy Cantor
3) Através do iTunes, ou outro leitor de podcasts, inserido este endereço http://cowboycantor.mypodcasts.net/podcast.php

nota 2: há uma falha grave na emissão. Quando ouvirem Matt Damon, deverão ouvir Damon Albarn

terça-feira, janeiro 17, 2006

Uma Sanita, Um Povo E Todos Os Governos

nota: leia primeiro o texto A Maria merece!, de 14 Janeiro de 2006, em foguetabraze, em que se fala de misteriosas nomeações, com monstruosas renumerações.

Num recente comentário ao um texto do Nuno Barata, no foguetabraze, pois claro, referi que nós funcionários públicos (é triste, mas um professor tem que aguentar esta cruz até à morte) são o papel higiénico do governo. Servimos para limpar a porcaria que eles fazem. Os termos não foram bem estes, mas este blog sempre se primou pela boa educação, que não queria estragar tudo com uma simples palavra merda.
Tenho andado a pensar neste comentário, e acho que não deveria ter dito aquilo. Não sei… não fica bem eu dizer uma coisa destas. Temos que ter em conta que para além de militante, coordenador de núcleo sou vogal na Assembleia de Freguesia da Maia, eleito por uma lista do mesmo partido que este governo regional e nacional.
Não sei… Dizer que somos o papel higiénico deste governo não me fica bem.
Gostaria de fazer uma correcção: Por estas e por outras é que acho que somos, sempre fomos e sempre seremos a sanita dos governos.

segunda-feira, janeiro 16, 2006

Isto A Mim Chateia-me

Qualquer funcionário público (que chatice, um professor também trabalha para o estado) começa a planear as suas compras cada vez que se aproxima o dia 20 de cada mês. Foi a pensar nesta magnífica data que num intervalo entre duas aulas dei um saltinho à Fnac.pt a fim de ver que novidades discográficas há por lá.
Em destaque está um disco com preço reduzido que se chama The Art of Amália Rodrigues.
Não se trata de nenhuma emigrante portuguesa que gravou um disco, trata-se sim da Amália que todos conhecemos. Pelo título do álbum ainda pensei que fosse alguma importação de algum disco internacional da Amália, mas pela lista de faixas, vê-se bem que os temas são em português, e a edição é nacional, e nem se quer o título é a tradução. É mesmo o nome original da compilação
Nunca percebi que mania temos nós de dar nomes em inglês a coisas bem portuguesas.
Alguma vez os americanos se lembraram de lançar um álbum com o nome original de “O Melhor do Country Americano”? Ou os chineses alguma vez se lembraram de introduzir nos seus computadores caracteres ocidentais para poderam lançar um álbum com o nome “Choi Su e o Trio Long Fui Chu Cantam Shing Fu”? -podem procurar na Internet informações sobre estes artistas.
Por falar em caracteres ocidentais, e por falar em pseudo-melhores-do-mundo... desculpem, por falar em americanos, estes senhores que têm a mania da globalização, e que são o melhor caminho para a globalização, não usam nos seus computadores teclados com acentos, nem a tecla ç. Ontem li o nome de uma senhora portuguesa que por baptismo se chama Mendonça, mas desde que se tornou emigrante viu-se obrigada a começar a assinar o seu nome à moda americana, ou seja Mendonsa.
A economia portuguesa não depende destes casos, e o desemprego não vai diminuir se deixar de acontecer casos como estes, mas isto demonstra bem o respeito que temos pela nossa língua, e isto a mim chateia-me.

sábado, janeiro 14, 2006

Rádio Cowboy Cantor- Segunda Emissão

nota: para ligações mais baixas, é aconselhável ouvir a rádio em http://cowboycantor.mypodcasts.net

Já está no ar a segunda emissão da Rádio Cowboy Cantor.
Para ouvir aqui, aqui, ou então, e a paritr de Quinta-feira passada, também disponível através do portal de música Cotonete.

quinta-feira, janeiro 12, 2006

Ai Maria de Lurdes, o que tu me fazes sofrer! (leia-se escrever)

Não consigo perceber como é que uma lei que impede os professores de concorrerem durante os próximos três anos, é uma lei de estabilidade e que cria mais lugares para a colocação de professores.
O novo decreto-lei aprovado hoje, é defendido pela ministra da educação, essa nobre pessoa (pelo cargo que ocupa) que acha que as decisões do tribunal de Ponta Delgada nada têm a ver com as de Lisboa, porque os Açores são outra coisa que não Portugal, como um decreto que facilita a fixação de um professor numa escola, promovendo a aproximação à família.
Bonito, bonito. A partir desta noite vou rezar um rosário antes de adormecer, e pedir a Deus, com a graça dos programas informáticos responsáveis pela colocação dos professores, que seja colocado no Corvo, para, segundo a ministra da educação, ficar mais perto da família.
Também se refere que, sendo as colocações válidas por três anos, para além de promoverem a aproximação à família, promovem a aproximação à residência. Mais pudera. Se eu soubesse que entre 2006 e 2009 iria ficar colocado a 600 quilómetros da Maia, mais metro, menos metro, a primeira coisa que faria seria arranjar uma casa onde pudesse ficar durante este período. E depois de ter uma casa para morar durante três anos, a cinquenta metros da escola, trataria de arranjar alguém que compartilhasse a casa comigo. Partindo do princípio que iria criar amizade a esta pessoa, afinal de contas iríamos viver três anos juntos, o mais certo era que ao fim de alguns meses já consideraria o meu companheiro de casa como um membro da minha família.
Como vê, Dona Maria de Lurdes Rodrigues, o seu sistema é perfeito… Dedique-se à pesca.

quarta-feira, janeiro 11, 2006

Como Disse?

Esta aproximação ao dia 22 está a ficar muito interessante. Vinha eu a caminho da Povoação, a planificar mentalmente um ou outro pormenor para as aulas de hoje, quando começo a ouvir uma voz vagamente familiar, mas que já não ouvia há algum tempo. Parei por momentos os meus pensamentos, e comecei a prestar atenção ao que ouvia na rádio. Não consegui acreditar muito bem no que ouvia, mas a verdade é que ouvi dizer o próprio Pedro Santana Lopes (o ex-tantas coisas, inclusivé ex-primeiro-ministro indigitado) a dizer que se o Cavaco Silva for eleito presidente da república será muito mau para Portugal, não devido às discordâncias ideológicas entre Cavaco e Sócrates, mas sim pelo tipo de política que ambos praticam.
É mesmo para pedir: Importa-se de repetir?

terça-feira, janeiro 10, 2006

A Visita

Ainda não sei o que é ter um filho em casa, mas só ter uma sobrinha com 4 meses é suficiente para perder uns minutos de manhã, e sujeitar-me a chegar atrasado às aulas.
A Marta e a mãe quiseram vir de Oeiras para a Maia, visitar o tio, o avô e a avó. Já aproveitei para dar umas aulas de canto à Marta.
Na fotografia podemos ver a futura soprano da Orquestra Sinfónica de Moscovo a se preparar para mais uma aula.
...E o cheiro a bebé pela casa?..
Posted by Picasa

sexta-feira, janeiro 06, 2006

Já Chegou

Estou no ar. A Rádio Cowboy Cantor já nasceu, e a primeira emissão está no ar.

Para ouvir há três alternativas:
1) Através do blogue Cowboy Cantor
2) Através da página da Rádio Cowboy Cantor
3) Através do iTunes, ou outro leitor de podcasts, inserido este endereço http://cowboycantor.mypodcasts.net/podcast.php

quinta-feira, janeiro 05, 2006

A Minha Primeira Gorjeta

Por causa deste texto sobre gorjetas, lembrei-me da minha primeira gorjeta.
Estava no meu primeiro ano de serviço, a sorte ditou que iria apenas ter duas horas de aulas por dia de Segunda a Sexta, logo fui arranjar outro emprego para me entreter e poder comprar uma bicicleta (não se riam porque sempre disse que comprava uma bicicleta no meu primeiro ano de serviço). Nada melhor do que uma livraria, mesmo ao lado de uma loja de discos (qual delas?). A minha primeira gorjeta, ao fim de duas semanas de professor-livreiro, foi dada por uma simpática inglesa:
- Thanks for your help, mister. I’d like to give you something for your kindness, but I just came from the ship... Oh, do you like english tea?

quarta-feira, janeiro 04, 2006

Coisas da Maia

Na mesma terra onde acontecem coisas destas, as quais alarmam muita gente, também acontece o que me acabou de acontecer. Hoje decidi ir ao ginásio em São Brás, a três quilómetros da Maia, de bicicleta. Não contava sair de lá depois das 6. No entanto só voltei para a Maia quase às 7. Ou seja, vinha mentalizado para fazer um exercício de morcego-gato, e vir a voar tentando perceber onde ficam as curvas (sim, a estrada que liga São Brás à Maia não tem luz). Ora, mesmo à saída da última casa de São Brás apanhei com uma carrinha que veio sempre atrás de mim a iluminar-me o caminho, e só fui ultrapassado quando já estava em plena freguesia.
É mesmo para recordar a velha frase: “Ainda há gente boa nesta terra”.

terça-feira, janeiro 03, 2006

Regresso à Rotina

Sem perceber como, acordei hoje às 8:30, pondo fim a duas semanas de férias de Natal. É altura de regressar às aulas, mas sabia bem mais uns dias de descanso.
Pensando na situação actual do ensino em Portugal, dos funcionários públicos, da situação do país em geral, obrigo-me a acreditar que um dos poucos motivos que tenho para ser um professor feliz em Portugal é exactamente as três interrupções lectivas que temos ao longo de um ano.

nota: Já ressuscitei no :Ilhas. Já me tiraram o traço.