A Minha Rádio Podcast: Cowboy Cantor

segunda-feira, janeiro 17, 2005

Marcas

Não sou lamechas. Isto não. Sou sensível. Às vezes até demais. E só por isso vou escrever este texto, tudo bem explicadinho. Não estou com muito tempo, ainda vou à sessão das 18:30 ver o Ocean's Twelve, mas como amanhã, se calhar, já me passou a sensibilidade, prefiro escrever agora, do que não estar com o sentimento para estas coisas amanhã.
Hoje na Feteira Pequena (concelho de Nordeste), estava a acabar a minha aula das nove, com a turma do 2º e 3º ano, quando, como habitual, pus uma música para descansarmos de uma aula intensa de cantar e dançar. Estivemos ali durante 3 minutos a pensar não sei em quê. Mas foi bem visível que todos estavam a ouvir atentamente, e a pensar em seja lá o que for. Quando acabou, mantive alguns segundos de silêncio, e perguntei, num tom quase inaudível, para não perturbar quem ainda estava a saborear os momentos de silêncio que se seguem a uma peça musical: "Em que é que esta música vos faz pensar?". Depois de alguns segundos de novo silêncio, alguém, por sinal um dos mais irrequietos alunos de todo o concelho de Nordeste, responde, com toda a inocência e sensibilidade que há numa criança de 8 anos:"Oh professor, esta música faz-me lembrar aquela onda gigante, e aquelas pessoas todas deitadas na praia."
Não resisti. Emocionei-me um pouco. Tentei disfarçar. A coincidência foi terrível.
A música que tínhamos acabado de ouvir, de autoria da irlandesa Enya, tem o nome de "Watermark".

5 comentários:

Anónimo disse...

Pois é.Não espera ver um homem admitir desta forma a sua sensibilidade.Parabéns.
As crinças são realmente a melhor coisa do mundo.

Francisco disse...

E qual o Homem capaz de disfarçar a emoção ao assistir (ou mesmo apenas ler o relato...) a um situação destas?

Ana F. Afonso disse...

Arrepiei-me a ler este texto.
Não é lamechice. Foi porque o texto está magnificio e cheio de sentimento.

Rodrigo de Sá disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Rodrigo de Sá disse...

Deixem-me citar Pedro Abrunhosa: "Um homem também chora quando assim tem de ser". Se calhar é por isto que às vezes passamos ao lado de certas coisas. Temos medo de enfrentar certas situações.